31 de julho de 2015

6 e 7 meses


Tomás já completa 7 meses e eu nem escrevi ainda suas fofurices dos 6 meses. Aproveito então e faço um post dois em um, com mais registros, mais gracinhas e mais fotinhos!

A primeira novidade é a introdução alimentar. Já comeu várias frutas, da clássica banana ao caqui e manga. Toma suco de laranja lima, mas este ele custou a aceitar - nunca tomou mais que 100 ml. Das papinhas salgadas, já come com 3 legumes, carne moída ou frango e uma folha. Já experimentou batata doce, abóbora, beterraba... couve, espinafre, folha de brócoli, folha de couve-flor. É bom de boca, nunca recusou nada. E também não teve nenhuma reação alérgica. Acho que a alergia dele ao leite foi mais leve do que o esperado.

comendo manga 
 
A segunda grande novidade é que, pouco antes de completar 7 meses, despontou seu primeiro dentinho. E um dia depois, começou a aparecer o segundo. Ele ficou muito irritado por vários dias, não apenas babando, mas colocando tudo na boca, nervoso. Não ficou febril (Bento ficava), mas o intestino soltou um pouco. Agora coça a gengivinha com os novos dentes adivinhem onde? No meu peito, claro. Já levei as primeiras dentadas, ai ai.

Está sentando bem com apoio. Aliás, gosta de ficar sentadinho no carrinho ou bebê conforto e da visão que essa nova posição lhe proporciona. Agora passeia assim no carrinho, balançando as perninhas.

de boné

Grita, grita muito. Demonstra querer interagir se mexendo e gritando para nós. Ainda resmunga e "rosna", além dos pequenos balbucios de "agu", "dá", "ba" e afins.

As noites, até então tranquilas, voltaram a ser de sono entrecortado. Acorda várias vezes, acredito que por irritação com o nascimento dos dentes.

Já percebe quando saio do cômodo ou me afasto. Me procura com o olhar, chora e entende que não está no meu colo. Quando o pego, para de chorar e se acalma. Isso é fofo, mas ao mesmo tempo cansativo, pois quase nunca se acalma com outra pessoa.

Já fui conhecer 4 berçários e estamos na fase de escolha. Não sei como será a adaptação, tenho sempre receio dessa primeira separação. Mas sei que daremos conta. Precisamos dar, por mais que me doa...

Por fim, continua muito risonho. Ri quando vamos tirar foto, quando falamos com ele. Abre sua boquinha banguela em uma carinha linda, que me derrete o coração.

28 de julho de 2015

O irmão mais velho


Desde que engravidei, procurei explicar a Bento a nova dinâmica familiar que surgiria. Contamos, eu e marido juntos, que ele teria um irmãozinho, que minha barriga ficaria grande, que demoraria um pouco até o bebê nascer. Sempre estive aberta às suas dúvidas e perguntas.

Durante a gravidez, Bento passou por fases curiosas entre gostar/ não entender o que estava acontecendo. Fez carinho na barriga, foi comigo fazer ultrassom, contava para as pessoas que teria um irmão. Quando foi comigo ao laboratório fazer exames de rotina, já na reta final e com a barriga evidente, perguntou se era lá que nasceria o bebê. A gravidez também despertou sua curiosidade pelos outros nascimentos da família: perguntou a avó se alguém tinha nascido da barriga dela e ficou espantado de saber que minha mãe teve 4 filhas ("Tudo isso???"), achando que todas haviam nascido de uma só vez.

Teve também suas formas de demonstrar que não estava gostando das mudanças. Algumas vezes ficou bravo e irritado comigo, dando até alguns tapinhas na minha barriga. Mas não passaram de momentos esporádicos.

poucos dias depois que Tomás nasceu


Quando Tomás nasceu, Bento ficou chateado por eu precisar ficar vários dias no hospital (Tomás nasceu prematuro, precisou tomar banho de luz). Demonstrou sentir minha falta, mesmo sendo férias e fim de ano, tendo primos, piscina e natal para entretê-lo.

Aos poucos, Bento foi vendo que eu precisava ficar mais tempo com Tomás. Que bebês demandam muito cuidado e atenção. Que o irmãozinho ficava muito no meu colo, mamando, dormindo, chorando. O ciúmes começou a dar as caras.

Em algumas situações, Bento chegou a verbalizar o que sentia. Disse claramente para mim coisas como: "você só fica com o Tomás", "você não brinca mais comigo". Uma situação vai ficar na memória: um dia, enquanto eu estava no banheiro, Tomás começou a chorar. Ele estava no carrinho e Bento brincando na sala. Eu pedi a Bento para distrair o irmão por alguns segundos. Quando desci as escadas, Bento havia tirado Tomás do carrinho e estava carregando ele em seus braços pela sala. Quase infartei! Tive que ter sangue frio para não assustá-lo, já que ele poderia derrubar o bebê. Rapidamente peguei Tomás e agradeci Bento por ter me ajudado.

Bento dando fruta para o irmão


Por sorte (ou temperamento dele, ou por eu sempre tentar conversar e entender o que ele sente), nunca houve uma situação muito complicada. Bento não regrediu seu comportamento em nada, ao contrário. Gostou de se transformar em irmão mais velho. Rapidamente entendeu que o irmão ainda não sabe e não consegue fazer muita coisa que ele faz. Que é ele quem consegue correr mais rápido e pular mais alto.

Acho que o fato de eu tentar envolvê-lo no cotidiano com o irmão, sempre de forma leve, ajudou. Peço para Bento ajudar a distrair Tomás mostrando um brinquedo, passeando de carrinho pela casa, pegando alguma coisa para mim. Claro que nada disso é obrigação, ele não tem responsabilidade em cuidar do bebê. É apenas uma forma de envolvê-lo na nova dinâmica.

Aos poucos, Bento entendeu que o irmão é um novo integrante de nossa família e que veio para ficar. Foi interessante perceber que ele nunca achou que Tomás veio tirar o lugar dele. Apesar de ter demonstrado receio de perder espaço, o que é natural, nunca teve medo de que não o amássemos mais.

E, por falar em amor... O amor entre os irmãos é incrível de se ver. Tomás ama, idolatra e venera Bento. Fica admirado olhando tudo o que o irmão faz. Gargalha com suas palhaçadas, segue-o com os olhos, sacode os bracinhos e perninhas tentando fazer o que ele faz. E Bento... já percebeu isso. Viu que Tomás sorri para ele apenas por vê-lo. Dança para ele, me ajudando a distrai-lo. Dias atrás inclusive disse: "eu amo você, Tomás". E "eu amo toda a minha família". Tomás, mesmo sem saber falar, retribui com seus olhinhos brilhando. E essa é a maior alegria que uma mãe poderia ter.

9 de junho de 2015

5 meses


Tenho vindo aqui bem menos do que gostaria. Não consigo registrar momentos que eu queria guardar para não esquecer, pois sei que a memória falha conforme o tempo passa. Mas ainda não perdi a esperança de retomar esse espaço com a dedicação que já tive, com o carinho que sempre nutri por ele. Por hora, sigo em meus posts mensais...

lindeza da mãe

Tomás completou 5 meses e segue crescendo todo fofo e delício. Ganha peso mais rápido do que Bento ganhava: nessa idade, Bento tinha 7,800kg, Tomás está com 8,080 kg. Acho que Tomás será maior que o irmão, e digo isso desde que nasceu.

Está mantendo a cabecinha cada vez mais firme. Fica alguns segundos sentadinho com apoio, mas logo cai para o lado. Não gosta muito de ficar de bruços, mas já fica um pouco mais de tempo e consegue erguer o tronco um pouco.

Ainda não sabe virar sozinho, mas começa a querer se movimentar mais. Ontem mesmo fez algumas tentativas e parecia uma minhoquinha, girando sem rumo. Agora explora mais o tapetinho de atividades e, em minutos, sai da posição em que o coloco, tentando se aproximar dos brinquedos. Continua com a boca banguela, mesmo coçando-a loucamente com a mãozinha. Segue perdendo os cabelinhos, mas já dá para ver uma penugem bem clarinha nascendo por baixo dos fios escuros.

 coçando a gengivinha com o mordedor

É muito risonho. Faz carinho em meu peito enquanto mama. E presta atenção em tudo quando está mamando: em mim, nos sons do ambiente, nos objetos. Deixa os olhinhos bem abertos e espertos, querendo conhecer todo esse mundo que lhe é tão novo. Se converso com alguém enquanto amamento, ele para de mamar e me olha, presta atenção, sorri para mim e volta a mamar.

Faz muitos barulhinhos e gritinhos. Quer "conversar", interagir. Presta atenção em nossa boca, fica olhando e tentando imitar os sons que fazemos, treinando a vocalização para o futuro.

o sling pouch está ficando pequeno!

Continua dormindo bem à noite. Dorme por volta das 21 horas, acorda entre 2h e 3h da manhã, mama de olhinhos fechados e logo dorme de novo. Acorda entre 6h30 e 7h, mama e cochila outra vez. Começamos o dia depois das 7h30. Porém, as sonecas diurnas são bem curtas, coisa de meia hora, no máximo.

As cólicas melhoraram. Não sumiram totalmente, mas responderam bem à retirada do leite e derivados de minha dieta. Na consulta mensal, a pediatra me permitiu voltar a ingerir alguns alimentos como o café e o tomate, mas continuar sem o leite de vaca.

Mês que vem precisaremos colocá-lo no berçário. Adiei o quanto pude esse momento... mas preciso trabalhar de modo mais produtivo. Fico muito cansada de trabalhar à noite, quando ele dorme... os gastos com uma pessoinha a mais na família obviamente aumentam, e não temos mais como manter a casa apenas com a renda do marido. Por isso começaremos esse mês com a introdução alimentar. A princípio somente com frutas e muito, muito lentamente, para observar as reações dele considerando a já constatada reação ao leite. Vou contando conforme formos tentando.

gordelício

Só sei que parece que ele está crescendo tão rápido.... Ontem mesmo eu tinha um bebezinho magrinho, com roupinhas que ficavam largas, com tecido sobrando. Hoje ele perde roupa a todo instante, muda de tamanho de fralda, aumenta o papinho debaixo do pescoço. Nem acredito que logo estará se movimentando mais. Às vezes o imagino em seus primeiros passinhos pela casa... Parece que o tempo passa mais rápido no segundo filho.

18 de maio de 2015

Os 4 meses de Tomás e uma possível alergia alimentar

Tomás completou 4 meses no final de abril. Continua ganhando peso e se desenvolvendo bem. Começa a mexer mais o corpinho tentando se virar, mas ainda bem de leve. Não gosta de ficar de bruços, reclama à beça. Perdeu bastante cabelinho, já tem até uma carequinha num dos lados da cabeça. Aprendeu a estalar a linguinha.

ele adora dormir assim, com os bracinhos pra cima

Tudo indo bem, tudo certo... mas as famosas cólicas não estavam dando sinal de passar, nem mesmo de diminuir. Ok, o bebê não é um relógio e as cólicas não necessariamente passam após a virada dos 3 meses. O problema é que ele realmente estava incomodado e sentindo dor. O choro vinha a qualquer hora, alto e forte. Ele se espreme, fica vermelho, grita e grita. Dá dó de ver. Foi um festival de antigases, bolsa térmica, fraldinha de pano aquecida, massagem, colo... qualquer coisa para ver aquele sofrimento passar. Passava, mas no dia seguinte... tudo de novo.

Na última consulta à pediatra, enquanto eu relatava tudo isso... ele começou a chorar. Ela viu como ele se contorce, como grita, como sente dor. E disse que, juntando os fatores, parece ser um quadro de alergia.

Bento teve algo parecido, como contei aqui. Mas o dele foi mais leve - o maior problema na verdade era o refluxo. Já Tomás tem pouquíssimo refluxo, que já quase desapareceu. Essa dor que ele sente é visível, realmente o incomoda. Ele já chegou a chorar de gritar logo após soltar o seio.

A primeira providência foi mudar minha dieta, já que ele só mama no peito. O principal suspeito é o leite e seus derivados, portanto, estes foram os primeiros itens a serem excluídos. Na verdade a pediatra disse para fazermos um "choque" e tirar tudo o que pode ser alérgeno ou irritante para o organismo dele: trigo, condimentos fortes, molho de tomate, cafeína, chocolate...

No dia seguinte à consulta comecei a nova dieta. Em um primeiro momento, achei bem difícil tirar tudo o que contém leite. Há leite até em coisas que eu nem sabia! Mas não fui radical, tirei apenas os alimentos mais "leitosos": requeijão, iogurte, queijo... E já dei adeus ao café com leite no meu desjejum.

Minha maior dificuldade é o leite de beber mesmo, que gosto. Não sou muito fã de bebidas de soja, acho enjoativas. Mas se esse é o preço para não ver meu pequerrucho chorando e sentindo dor... assim seja.

Mais ou menos uma semana, uma semana e meia depois da nova dieta... o choro diminuiu. Do dia inteiro passou a ser pontual, mais no fim da tarde. E já tivemos dias inteiros sem choro. Que alívio ver meu bebezinho se sentindo melhor!

Também fizemos exames indicados pela pediatra. O primeiro, de sangue oculto nas fezes, deu negativo. Não acredito que ele seja alérgico realmente, já que nunca apresentou nenhum outro sintoma além do combo choro+dor. Tanto que fiz alguns testes e comi alguns alimentos contendo traços de leite, e ele não reagiu. Já quando comi um doce com doce de leite... chorou bem mais, e fez cocô mais vezes.

No começo de junho temos retorno na pediatra e veremos o que ela diz. Até lá, mantenho a dieta restritiva. Mas já estou vendo que não poderei ingerir letite tão cedo. E que, quando ele não mamar mais no peito, acho que terá que beber algum outro leite que não de vaca... Quando tiver mais novidades, volto pra contar!

não posso com leite de vaca, mas nem ligo!

14 de maio de 2015

Aniversário de 6 anos: o que teve?


Já se passaram duas semanas desde o aniversário de Bento, mas tanta coisa aconteceu que não consegui vir aqui antes para registrar... Mas não posso deixar de contar aqui da festinha que, para mim, foi a mais legal que fizemos.

E o que teve assim de tão legal?

Teve festa simples, de criança mesmo. Com bexigas, mesa de bolo e alguns poucos enfeites.

Teve ajuda da família e dos amigos na decoração e nos comes e bebes. Tias enchendo bexiga, vovó fazendo cachorro quente, pai pendurando painel e bexigão, amiga ajudando a servir.

Teve um pequenino que, na véspera do aniversário, teve dor de ouvido. De sair secreção e me fazer sair correndo para o hospital e quase cancelar tudo. Mas que se recuperou rápido e pôde curtir a festa.

Teve primos, amigos da escola, amigos da vizinhança.

Teve parquinho do condomínio e cama elástica que alugamos.

Teve criança descalça, suada, cansada de tanto brincar.

Teve amigos que eu não via há tempos, alguns há meses, outros há anos.

Teve presentes, muitos, de todo tipo: brinquedo, roupa, tênis, até uma lancheira. Não imaginei que fosse ganhar tanta coisa!

Teve um menininho que curtiu muito sua festa, a presença dos amigos e seus presentes. Que ainda fica envergonhado na hora do parabéns, mas que curtiu ver todos cantando para ele. Que foi dormir cansado, tanto que nem foi à escola no outro dia.

E teve fotos! Alguns registros da festa:

 
 os docinhos e uma visão geral da mesa do bolo

 
 as crianças no parque da festa e na fila para a cama elástica
 
Bento olhando os doces

o parabéns

Parabéns de novo, meu pequenino, meu filho mais velho, meu amor.

créditos: doces e bolo feitos por Prenda Moça Receitas Especiais.
 
© 2011 - Mãe do Bento Desenvolvido por Flavia S | Lu Azevedo - todos os direitos reservados