16 de abril de 2015

Quando Bento e Tomás se conheceram

Postei esses dias um link na página do blog no Facebook com fotos de crianças conhecendo seus irmãos bebês pela primeira vez. Tem várias fotos fofas, outras engraçadas... Aí me lembrei que ainda não tinha publicado aqui as fotos que tirei no dia em que Tomás nasceu!

Quer dizer, eu coloquei duas fotinhos sim, neste post aqui ó. Mas achei legal fazer um post exclusivo sobre as primeiras impressões de Bento ao conhecer o irmão.

Ressalto que as fotos não são assim de ótima qualidade, pois foram tiradas por mim mesma, ainda no leito hospitalar. E também não queria ficar só tirando foto, queria mesmo era ver, acompanhar, sentir como meu menino mais velho reagia.

 Bento tímido ao lado do irmãozinho

primo Miguel também conhecendo o priminho

"Olha o pezinho dele!" 

Essa é minha foto preferida! Literalmente cutucando o irmão para ver se é de verdade :)



no colo da vovó - como Tomás era pitico!

Por fim, a última e mais fofa das fotos: a primeira vez que Bento pegou Tomás no colo:


Eu lembro que Bento ficou tímido ao conhecer o irmãozinho. Quis se aproximar, mas não ficou muito tempo olhando. Logo se cansou e pediu para brincar com o primo Miguel, que também estava presente nesse momento.

E foi esse o registro de quando Bento e Tomás se conheceram. Foram essas as primeiras imagens dos meus filhos, juntos, pela primeira vez.

9 de abril de 2015

Três meses


Chegamos ao marco dos três meses. É um salto grande, pois o recém-nascido agora é um bebê. E é incrível ver como suas habilidades se desenvolvem tão depressa.

Agora Tomás sustenta melhor o pescocinho, conseguindo manter a cabecinha um pouco mais firme. Ainda não consegue se virar, mas olha para todos os lados, acompanha um movimento ou pessoa com os olhos e procura de onde vêm os sons. Faz "ginástica" balançando as perninhas e bracinhos. Dá gritinhos, faz "agu", "ingá" e outros barulhinhos.

Gosta de colo. Às vezes só de pegá-lo o choro cessa. Quer ficar pertinho, sentir o calor e o aconchego. Gosta de interagir. Até reclama quando tento colocá-lo em algum outro lugar e não quer deixar o colo.

Adora passear. Fica atento no carrinho olhando as árvores e passarinhos no passeio matinal. Também gosta de andar de carro (e qual bebê que não?).

Várias vezes pega no sono sozinho, o que é inédito para mim. Às vezes está no bebê conforto ou no bercinho perto do momento do cochilo e... simplesmente dorme.

dormindo no carrinho

Falando em dormir, dorme muito bem à noite. A última mamada é por volta das 21h, 22h. Daí embarca por 4 a 5 horas seguidas. Acorda, mama de olhinhos fechados mesmo e dorme de novo. Aí acorda entre 6h e 6h30 e começamos o dia. Realmente disso não posso reclamar!

Na última consulta à pediatra, dia 26/03, estava com 6,250 kg. Atualmente na balança de casa já passa dos 6,500 kg. Perde uma roupa atrás da outra. A hérnia umbilical regrediu completamente.

Já vejo pequenas falhas na cabeleira. Engraçado, pois não vejo nenhum fiozinho perdido no bercinho ou em lugar nenhum.

Adora as próprias mãos. Coloca-as na boca, vira, revira, morde, lambisca.

Faz bolinhas de cuspe.

Faz biquinho quando vai chorar. E chora. Ainda tem cólicas fortes, que não passam com nada. Chora alto e bravo, parece que fica inconsolável. Mas a frequência começa a diminuir para um ou dois episódios por dia. Tomara, pois dói em mim vê-lo se contorcer de dor.

E sorri. Não mais como reflexo, mas em resposta a uma interação. Quando falamos com ele, reage sorrindo, fazendo charme. Conquista todas as tias e vizinhos com essa simpatia toda. E me derruba assim também, quando esqueço o cansaço e me encho de amor só de ver seu sorriso.

 sorrindo enquanto a touquinha escapa da cabeça

25 de março de 2015

Sobre o cansaço

Não tem um só dia em que eu não pense em textos aqui pro blog. Começo a manhã pensando "hoje vou fazer isso e aquilo e depois escrever no blog". Aí surgem mil coisas, cotidianas mesmo, o dia passa e não escrevi. E vou dormir chateada por deixar de registrar mais aquela fofurice, mais aquele perrengue, mais aquela reflexão.

Tomás está prestes a completar 3 meses e os dias têm sido bastante cheios. Segue mamando só no peito, tirando seus cochilos, chorando quando algo lhe incomoda. Já fica bastante tempo acordadinho, principalmente à tarde. Brinca no tapetinho de atividades que ganhou da vovó, balança suas perninhas, coloca a mãozinha na boca e vira e revira os olhinhos para todo lado, querendo absorver todo o mundo que lhe é novo.

Bento está prestes a completar 6 anos (seu aniversário é daqui um mês). Segue brincando com seus amigos, indo à escola, andando de bike - sim, agora ele diz bike, não mais bicicleta. Joga videogame e adorou o jogo novo que ganhou da vovó. Começou a entender que, ao juntar letras, formamos palavras. Quando consegue formar uma palavrinha sozinho e entender seu significado, vibra. Continua gostando das primeiras descobertas da matemática, sempre quer saber quanto dá a soma de números. Está animado com esse novo mundo que lhe surge com o crescimento.

E eu... estou cansada. Há dias mais tranquilos, outros mais puxados, mas, no fundo, parece que todo dia é o mesmo dia. Sempre há muita coisa para fazer. A máquina de lavar roupas sempre trabalha, faça chuva ou sol. É almoço para cozinhar, chão para varrer, mercado para fazer, gatos para cuidar. E nem estou falando de casa impecável não, é só o básico mesmo. Não tenho empregada, nem babá, nem avós por perto. Só conto mesmo com uma faxineira uma vez por semana, para a limpeza pesada. Vira e mexe recorro ao marmitex, que me salva de preparar o almoço. E a louça segue acumulando na pia.

E ainda tem meu trabalho. Voltei a fazer traduções, ainda que em ritmo mais lento do que antes. As contas chegam e não esperam que a conta bancária volte a ficar no azul. Não tive licença maternidade - quer dizer, tive, por um mês e meio. Emendei as festas de fim de ano pouco antes de Tomás nascer com o mês que se seguiu. Depois, voltei à labuta com dois pequenos para cuidar. Marido segurou as pontas sozinho até aqui, mas preciso gerar um mínimo de renda também para ajudar.

A maior parte das tarefas eu encaro sozinha mesmo. Passo o dia em casa e equilibro os pratos entre crianças, casa e trabalho. Marido põe a mão na massa quando chega  à noite, e eu literalmente despejo os meninos em cima dele para terminar uma tradução, colocar o jantar na mesa ou simplesmente tomar banho e comer. Também é ele o piloto do fogão aos domingos, quando faz o almoço. Mas o grosso cotidiano fica comigo.

E cansa. E muito.

Apesar de, no segundo filho, já sabermos o que nos espera, às vezes o cansaço nos vence e desanima. É sim mais fácil com o segundo, pois não temos uma preocupação excessiva com o bebê. Eu deixo Tomás muito mais no tapetinho-carrinho-bebê conforto-berço do que deixava Bento. Também dou bastante colo, e vê-lo sorrir ou se acalmar quando o aninho é a parte mais gostosa desses primeiros meses. Mas às vezes acontece de ficar chorando até eu conseguir atendê-lo.

Me dói também precisar, muitas vezes, deixar Bento de lado. A palavra que mais digo a ele desde que Tomás nasceu é "espere". Ele precisa sempre esperar que eu termine de amamentar, ou de acalmar o irmão, ou trocar a fralda. Muitas vezes, cuido dos dois ao mesmo tempo. Mas ele sente falta da exclusividade, claro. Por isso não abro mão de levá-lo à escola eu mesma, de arrumar seu lanche, de tentar sentar à mesa para almoçar com ele (ainda que com Tomás no colo). Acompanho a lição de casa e o levo à natação. Mas não estou mais conseguindo brincar com ele como antes.

É isso que esquecemos lá na frente, quando os bebês crescem. Eu sei que passa, sei que é fase. Sei inclusive que vai piorar quando os dentes de Tomás começarem a nascer, quando ele adoecer, quando começar a engatinhar pela casa e dar mais e mais trabalho. Sei até que vou sentir saudades dessa época. Mas, às vezes, dá vontade de tirar férias de tudo e passar um dia fazendo, literalmente, nada.

E também sinto falta de mim. Sinto que muitas vezes estou impaciente, irritada. E sempre cansada. Bento até pergunta: "o que foi mãe, está cansada?" O dia acaba sendo infinito e, ao mesmo tempo, curto. Faço milhões de coisas e sinto que não fiz nada, que deixei várias pendências. Às vezes deito a cabeça no travesseiro à noite pensando em tudo que não consegui fazer. Em outras, sei que dei o meu melhor. E em outras, fiz muito, mais até do que achei que conseguiria.

6 de março de 2015

Dois meses

Faz quase um mês que não consigo parar para escrever aqui no blog. A volta às aulas de Bento com as novidades do primeiro ano, minha volta ao trabalho, a rotina nova com bebê em casa... tudo isso tem mantido meu dia bem cheio. Quando as coisas se acalmam eu tento ler algumas notícias, vejo um pouco de tv... e vou dormir, claro, que é o maior desejo de toda mãe de bebê pitico. Mas não posso deixar passar um mesversário do meu caçula e registrar suas pequenas conquistas.

Quanta coisa acontece em dois meses! Aquele bebezinho de perninha fina, que dormia quase o dia todo e mamava picadinho agora é um bebê gorducho, que fica bem mais tempo acordado e que está cada dia mais fofo.


 As principais novidades desse segundo mês:

- Na última consulta à pediatra, dia 26/02, Tomás estava com 58,5 cm e 5,250 kg.

- Agora os intervalos entre as mamadas estão ficando maiores. Se antes ele queria mamar praticamente a cada duas horas, às vezes até de uma em uma, agora espaça mais: entre 2 e 2h30 durante o dia e de 3 a 4 durante a noite.

- As noites também estão bem mais calmas. No começo, dia e noite eram uma coisa só, pelas tantas acordadas. Agora Tomás já dorme por 3 a 4 horas direto, sem acordar. Quando acorda, mama e dorme de novo. Às vezes até fica acordadinho, mas sem chorar. Raramente faz cocô de madrugada.

- Tem conseguido manter a cabecinha um pouco mais firme. Já se virou duas vezes sozinho, uma em cima da minha cama e outra no bercinho. Em ambas, estava de lado e virou até ficar de bruços.

encontrei ele no berço assim, de bruços, e tinha colocado ele de lado

- O cabelinho não caiu nada ainda. Começaram a aparecer casquinhas na cabeça, daquelas que parece uma descamação. Bento teve bastante e eu tirava com óleo de amêndoas. Tomás ainda tem pouco.

- Desenvolveu uma pequena hérnia umbilical. Eu tinha notado que o umbigo dele ficou meio inchadinho desde após a queda do toco. Diz a pediatra que essa hérnia é comum e que some sozinha em até um ano. Caso não desapareça, é indicada uma cirurgia. Veremos.

- Não pega chupeta. Bento chupou até 2 anos e pouco, pegou fácil e eu dei pois me ajudou no chororô do refluxo (conto mais sobre isso aqui). Já Tomás não gosta. Tentei algumas vezes, também durante crises de choro, mas ele mal chupa e já cospe. Prefere chupar a mãozinha e já chegou a chupar o dedo.

soneca delícia

- Por falar em refluxo... Essa porcaria veio me assombrar de novo. O de Bento apareceu logo, pois ele sempre mamou muito de uma vez. Já Tomás começou mamando pouquinho, em intervalos menores. Quando aprendeu a pegar direito o seio, despertou a gulodice. Agora ele mama mais rápido e por mais tempo, aí mama demais e regurgita de sair pelo nariz. A princípio pensamos que fosse a regurgitação normal de todo bebê. Mas ele ficava incomodado, passava muito tempo chorando, irritado, sem conseguir dormir. Também passou a fazer um barulho na deglutição, como se estivesse engolindo algo sem estar. Juntei lé com cré e falei com a pediatra. Tentamos primeiro as medidas posturais, que eu já praticava: mantê-lo mais em pezinho depois de mamar, esperar uns 15, 20 minutos antes de deitá-lo mesmo após arrotar, levantar a cabeceira do berço, usar e abusar do bebê conforto por possibilitar que ele fique mais "sentadinho". Não foi suficiente e essa semana entramos com a medicação. Por enquanto Tomás está tomando só um medicamento, enquanto Bento tomava dois. Agora é torcer pro tratamento funcionar.

- Tem ficado mais tempo acordado. Uma vez ficou 4 horas direto, em outra, seis horas! Claro que chorou durante esse período, e acredito que parte desse "não dormir" possa ser atribuído ao refluxo, que dá azia e não deixa ele relaxar. Mas ele também fica bem, olhando as coisas ao redor, olhando quem o está segurando no colo e observando o ambiente.
 
"sentadinho" no bebê conforto

- Já perdeu várias roupinhas. Está mais gordinho mas, principalmente, ganhando em comprimento. Como é compridinho esse meu caçula!

Espero conseguir voltar logo para escrever mais. Quero contar como Bento está reagindo à presença do irmão. Tem rendido bons aprendizados para todos nós. E comentários engraçados e boas lembranças também :)

2 de fevereiro de 2015

Primeiro ano


E foi dada a largada para mais um ano letivo. As aulas de Bento voltaram na semana passada e um novo ritmo escolar começou por aqui, com várias novidades. Agora ele está no primeiro ano do ensino fundamental, ano em que é feita oficialmente a alfabetização. Mas já?? Já.

Algumas das mudanças da educação infantil para o fundamental foram percebidas por ele logo no primeiro dia. Ao perguntar a ele como tinha sido a volta às aulas, ele comentou que agora tem um "lugar" só pra ele na sala - agora as crianças se sentam em carteiras individuais, não mais em mesinhas coletivas. Contou ainda que conheceu o professor de educação física - até então, todas as atividades eram realizadas pela própria professora, tanto as educativas quanto as lúdicas. Por fim, contou que fez amigos novos.

Esta última, aliás, foi a melhor parte da volta às aulas para ele: rever os amigos. Ainda nas férias, quando eu perguntava a ele se estava com saudade da escola, ele sempre falava que queria rever os amigos. 

Mas as novidades não param por aqui. Agora terá lição de casa todos os dias, haverá um controle maior em relação às faltas e um início de cobrança quanto às atividades. Ainda não é algo rígido, mas também não tão leve quanto na educação infantil. Tanto que, logo nessa primeira semana que passou, quando se costuma apenas rever os principais aprendizados do ano anterior para retomar o ritmo... eles já tiveram atividades. Ao ver seus cadernos de língua portuguesa e matemática, vi o aprendizado de letras e formas geométricas aplicados em exercícios bem bacanas.

Apesar de ainda custar um pouco a levantar pela manhã, principalmente com o horário de verão ainda em vigor (quando o acordo ainda está amanhecendo) e de chegar à escola meio sonolento, Bento retomou o ritmo com tranquilidade. Ainda não sei como será administrar suas tarefas escolares e o cotidiano com Tomás, além de minha retomada ao trabalho. Mas acredito que meu menino tirará de letra, principalmente por demonstrar interesse em aprender. Vira e mexe ele nos pergunta como se diz coisas em inglês e com que letra começa tal palavra. Mas o que mais lhe desperta curiosidade tem sido a matemática. Quer saber a nomenclatura de números grandes, pergunta quanto dá a soma de dois números, quer até entender conceitos complexos como percentagem!

É estranho para mim entender que meu pequeno não é mais tão pequeno assim. É esquisito perceber que logo ele não precisará mais de mim para coisas básicas e que inicia seus passos mundo afora. Nem consigo acreditar que logo ele estará lendo! Mas, sem dúvida, estou bem feliz de ver esse novo cotidiano, essa nova etapa de sua vidinha, com milhões de novos aprendizados.

Imagem: We heart it.
 
© 2011 - Mãe do Bento Desenvolvido por Flavia S | Lu Azevedo - todos os direitos reservados